Breve histórico

História

Segundo documentação do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), disponível no Museu do  Descobrimento em Porto Seguro, a comunidade de Caraíva é o vilarejo mais antigo do Brasil. Os primeiros portugueses chegaram por volta de 1530, e por aqui viviam diversas tribos indígenas, nesta região que é conhecida como “Costa do Descobrimento”.

Durante muitos anos a comunidade viveu da pesca, que precisava ser salgada e transportada em lombo de mulas ou barcos até as cidades vizinhas para a venda. Até início do século XX, também trabalhavam com a exploração de madeira.

Anos 70, o começo da aventura

Na década de 1970, a vila vivia exclusivamente da pesca e foi nessa época que grupos de aventureiros começaram a frequentar o lugar. A estrada para chegar até o vilarejo era muito precária e nela quase não transitavam carros. Para chegar a Caraíva era preciso caminhar pela praia, saindo de Trancoso, ou fretar um barco de pesca. Com o movimento de visitantes crescendo, a vila foi se adaptando.

Ainda na década de 70 chegaram os primeiros motores para os barcos, que até então eram movidos por velas. Ecologicamente preservada, Caraíva beneficia-se de diversas proteções ambientais e históricas: Área de Proteção Ambiental – APA Caraíva/Trancoso; Zona de Reserva Extrativista Marinha – Resex; Patrimônio da Humanidade da UNESCO; Zona de Proteção Rigorosa do IPHAN; e zona de entorno do Parque Nacional e Histórico de Monte Pascoal.

Energia elétrica

Desde 1962, quando foi demarcado o Parque Nacional de Monte Pascoal, a vila é o limite norte do Parque.

Dentro do parque está a aldeia Pataxó que ajuda a cuidar da Parque Nacional de Monte Pascoal. Em 2007 chegou a energia elétrica na Vila de Caraíva. Com o empenho da população a Vila resistiu e não admitiu a colocação de postes.

Fotos históricas